Road trip to Cafayate
Na Ruta 68 que une Salta a Cafayate, norte da Argentina, não deu para desprezar nenhuma imagem. Toda a estrada possui uma natureza privilegiada para aqueles que amam aventura e se encantam também com a contemplação de paisagens incomuns. A viagem que demoraria em média uma hora e meia, demorou o triplo.
Cafayate
54766
post-template-default,single,single-post,postid-54766,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Road trip to Cafayate

Ruta 68, Salta a Cafayate

Road trip to Cafayate

Viagens e filmes caminham juntos? Dá só uma olhada. Ambos partem de uma ideia, traça-se um roteiro, procuram-se novos cenários e personagens, por fim conta-se uma história. A diferença é que a viagem não permite ensaios.
Assim minha jornada começa em plena ação na Ruta 68 que une Salta a Cafayate, norte da Argentina. Destino, as vinhas de Torrontés, vinho branco mítico entre os connaisseurs.
De início o caminho já é uma provocação. Assisto a um repertório de imagens que se transmutam a cada curva. De rochedos cinzelados pelo mar que o encobriam há milhões de anos, ao vale verde regado pelas águas do degelo da neve das montanhas. À primeira vista muitos locais guardam alguma semelhança com as Montanhas Rochosas (Estados Unidos e Canadá), mas isso só na superfície, pois a alma de cada lugar é única.

Salta, Argentina

A Ruta 68 estimulou minha imaginação e manteve a adrenalina em alta
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Desço do carro a cada instante para fotos e vídeos. Meu cine-olho capta imagens dignas de um épico. Do alto, um condor me vigia. Sua visão me causa inveja, pois recordo de imediato do filme de Godfrey Reggio que no início dos anos 80, com “Koyaanisqtasi” instituiu um tipo de documentário no qual a natureza era o objeto privilegiado. Nele, víamos as paisagens com olhar de pássaros, mas a força da fita residia na impossibilidade de nos aproximarmos dos cenários selvagens. Penso seriamente em trazer um drone na próxima viagem a Cafayate.
Lugares como Quebrada de las Conchas, Garganta do Diabo, e Três Cruzes me levam a paisagens mais próprias dos sonhos, ou aos longas de Tim Burton ou Guilhermo del Toro.
Naquela natureza e ouvindo a argentina Mercedes Sosa cantando Hermano Dame tu Mano, como trilha sonora, caramba! meu coração ressoa mais que seu tambor.

Ruta 68, Argentina

Da geografia do Anfiteatro emana fascínio primitivo
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Pouco a pouco noto que a estrada passa a ser o personagem principal da minha viagem. Em um ponto chamado Anfiteatro, da realidade caí na ficção. Na trilha até essa formação geológica, artesãos vendem de bijuterias, conchas, peixes e moluscos petrificados, ao ‘tabaco’. No final, surge uma concha acústica natural no rochedo erodido, enorme, magnífica. De sua geografia emana fascínio primitivo.
O silêncio, o eco dos ventos, o clima ameno, a dramaticidade da luz que, ora sim ora não, cria sombras misteriosas, me sugeriu um grande templo. Ideal para meditação não fosse a algaravia de casais de maritacas que ali fazem seus ninhos. Mas é quando elas surgem que eu percebo a acústica perfeita.

Ruta 68, Argentina

Essa ponte foi set de filmagem de um dos episódio do filme argentino ‘Relatos Selvagens’
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

E não é que de repente viagem e filme se cruzam de fato? Apaixonado pelo cinema argentino reconheço a ponte metálica amarela que foi set de filmagem de um dos episódios de maior impacto de Relatos Selvagens, do diretor Damian Szifron. Aquele da picuinha entre dois motoristas cujo final inesperado ocorre exatamente ao redor dessa ponte. Permaneço ali quase meia hora lembrando os detalhes das cenas daquela história. Só por essa descoberta minha viagem já valeu.
Na sequência o espaço cinematográfico da estrada muda radicalmente quando me aproximo de Cafayate. Ele se abre em panorâmicas com os vinhedos ao redor da estrada. A viagem de hora e meia, demorou mais de quatro.

Cafayate, Argentina

Amplos planos de vinhedos já anunciam que Cafayate está pertinho
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Na chegada ao meu destino, lembrei dos filmes de estrada do roteirista e diretor americano David Lynch, onde só no final acontece a razão da viagem.
Se Cafayate é um lugar que pela sua natureza já justifica a visita, saborear nas bodegas o Torrontés, fruto daquele terroir, me fez reavaliar o conceito do vinho branco. O diferencial, repensado e renovado desse vinho está nos aromas de frutas cítricas, mel, amêndoa, folhas de chá e flores. De cor dourada, parentesco com o moscatel, é um vinho jovem com a complexidade de um grande vinho. E lá vem outro filme à mente. Não é por acaso que alguns produtores gostam de chamá-lo de “Lolita dos vinhos”.
Muitas vinícolas ainda são pouco conhecidas no mercado brasileiro, vale ficar de olho em nomes como ‘Domingos Hermanos’, ‘El Esteco’, ‘Etchart’, ‘Nanni’, ‘Quara’, ‘Los Cardones’ e o espumante  ‘Borbujas de Altura’.
Inebriado, me despeço de Cafayate disparando um Hasta la vista, baby!

Cafayate, Argentina

Uvas Torrontés que vão produzir outro vinho mítico da Argentina
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Making of:
Tive a sorte de ser acompanhado nessa viagem pela turismóloga sra. Magdalena Benitez, da Secretaria de Turismo de Salta e do motorista sr. Sergio, que em nenhum momento se aborreceram com minhas constantes paradas, além de me fornecerem preciosas informações.

Cafayate, Argentina

Piscina do Hotel Grace Cafayate
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Onde a equipe de filmagem (oops da viagem!) se hospedou:
Hotel Grace Cafayate: www.gracehotels.com/cafayate
Hotel Asturias: www.cafayateasturias.com

 

Cafayate, Argentina

Peixe grelhado com purê de grão de bico, favas e molho de alecrim, servido no Restaurante do Wine Resort Vinãs de Cafayate
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Quais foram seus restaurantes:
Restaurante LEC, em La Estancia de Cafayate Wine & Golf www.lec.com.ar
Restaurante do Wine Resort Vinãs de Cafayate, www.cafayatewineresort.com
Restaurante La Rosa, Patios de Cafayate, http://www.patiosdecafayate.com/es/cocina-y-vinos

 

 

Cafayate, Argentina

Degustação de vinhos na vinícola Los Cardones
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Onde provou as degustações do vinho Torrontés
Bodegas:
Estancia Los Cardones: www.estancialoscardones.com
Borbujas de Altura: bodega de vino espumante www.borbujasdealtura.com

Cafayate, Argentina

Raoul Blondin, enólogo do famoso Chateau Mouton Rothschild, afirmava que “o vinho deve ser bebido na fonte. Quanto mais ele viaja, pior ele se comporta. Sensível não suporta as mudanças exteriores e o cansaço de qualquer viagem. Quanto mais perto de sua terra de origem, for tomado, tanto mais será apreciado”.
Crédito: Viramundo e Mundovirado

Onde comprou vinhos:
Museo de la Vid y el Vino: www.museodelavideyelvino.gov.ar
Mais informações:
www.saltaturismo.gov.ar
Facebook: Visit Salta

*Matéria publicada originalmente no nosso blog Viagens Plásticas do ViagemEstadao

Heitor e Silvia Reali
"Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado."