Na Ilha de Marajó, o esplendor da primeira arte brasileira - Viramundo e Mundovirado
55389
post-template-default,single,single-post,postid-55389,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Na Ilha de Marajó, o esplendor da primeira arte brasileira

Ilha de Marajó

Na Ilha de Marajó, o esplendor da primeira arte brasileira

“…e olho no mapa do Brasil e vejo o marajoara que habita uma terra onde a terra não para”. Essa frase do poeta Cassiano Ricardo foi o estopim para conhecer Marajó, e depois a chama surgiu na curiosidade de conhecer a cerâmica marajoara. E aí, fui até onde tudo aconteceu.

 

Ilha de Marajó

crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Ilha de Marajó. É aqui que o rio Amazonas depois de percorrer 6.950 quilômetros se despede do continente. Nasceu nos Andes e pelo caminho foi carregando terras e sementes, participou de folguedos e procissões, espalhou gente, inspirou lendas e carregou história. E, na foz, como tributo à liberdade, oferece todo o seu tesouro ao formar a maior ilha fluviomarinho do mundo.

 

cerâmica marajoara

As urnas revelaram a presença de ornamentos pessoais de belíssima feitura artesanal
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Foi nessa paisagem mutante, ora terra ora água, que se desenvolveu uma civilização que criou na cerâmica a mais bela representação de nossa arqueologia. Mas ao contrário de outras regiões, o terreno de Marajó, extremamente úmido e sujeito a grandes inundações, afogou a identidade de sua civilização. Dela restou, sobretudo, a cerâmica, e em particular a ritual – as igaçabas – urnas cinerárias.

 

cerâmica marajoara

As urnas revelaram a presença de ornamentos pessoais de belíssima feitura artesanal
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Meu primeiro contato com a cerâmica marajoara aconteceu no Museu do Marajó, em Cachoeira do Arari, centro da ilha e longe das vilas turísticas de Soure e Salvaterra. Idealizado pelo padre Giovanni Gallo, em 1972, este museu, com instalações interativas, representa a vida marajoara desde a época pré-colombiana, além da fauna e flora que povoa essa ilha – um microcosmo da Amazônia.
Ali ficou evidente para mim o capricho das ceramistas marajoaras que contagiadas pela criatividade da natureza, plagiaram nos desenhos, águas, aves e serpentes. Entrelaçaram com maestria obras de formas despojadas com grande riqueza de grafismos.
A arte Marajoara, por sua sofisticação e originalidade, deve ser considerada uma das mais admiráveis correntes estéticas da humanidade.

 

cerâmica marajoara

Pesquisadores modernos estão compondo pouco a pouco a história da civilização Marajoara e decifrando os mistérios que envolvem as relíquias dessa cultura que, durante mil anos – de 400 a 1400 A.D. – se estabeleceu numa vasta região da ilha de Marajó.
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Para quem entende do riscado, a “cerâmica Marajoara é a mais antiga das tradições policrômicas – preto e vermelho sobre base branca – das Américas, e traz outros detalhes que chamam a atenção”, explica o arqueólogo Eduardo Góes Neves. “Está claro, pelas incisões (técnica que consiste em desenhar sobre a cerâmica ainda úmida), pelos engobos (revestimento de barro fino sobre a peça antes da queima), que várias artesãs trabalhavam numa mesma obra.
Trata-se de uma arte plástica baseada principalmente em combinações de linhas sinuosas, com representações antropomorfas (com forma humana) e zoomorfas (com forma animal) tirados da vida cotidiana e da natureza selvática que envolvia  os habitantes da ilha de Marajó e que se perpetuariam sobretudo em suas urnas funerárias.

 

Ilha de Marajó

Raros são no mundo os lugares onde se pode ver claramente a força criadora da natureza e sua contínua mutação.
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Foi a cerâmica que me trouxe a ilha, e na despedida chamo outro poeta, Carlos Drummond de Andrade: “O Marajó é uma coisa fantástica, só você vendo…. E depois de ver, é capaz de não acreditar. Você vê, sente, vive o Marajó, contar é difícil. Adianta?

 

Ilha de Marajó

No Marajó o registro visual é marcante e reforça o ambiente de aventura. Até imagens simples não passam despercebidas.
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Quando ir: Não existe uma época ideal para visitar o arquipélago. Quando não é o sol que te persegue é a chuva que te castiga. “Marajó é, de fato, uma coisa e outra nas duas estações do ano em que se transfigura: a das enchentes – fevereiro a junho e a das vazantes, agosto a dezembro. Quem a visitar numa só dessas estações levará dela uma imagem tão verdadeira como enganosa”, explicou o antropólogo Darcy Ribeiro.

 

Ilha de Marajó

Na ilha de Marajó as sereias ainda cantam, botos se transformam em amantes, búfalos andam soltos pelas ruas, e árvores ao invés de frutos dão pássaros. Entre fantasia e realidade, entre rio, mar e terra, esta ilha é pura sedução.
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

*Matéria publicada originalmente no nosso blog Viagens Plásticas do Viagem Estadão


Comentários

Heitor e Silvia Reali
"Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado."