Viramundo e Mundovirado | Iyalorixá
A Iyalorixá, mãe de santo, é sacerdotisa e chefe do terreiro de Candomblé.
Iyalorixá
54108
post-template-default,single,single-post,postid-54108,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Iyalorixá

Iyalorixá

Existem mais de mil terreiros de Candomblé em Salvador, Bahia. Eles mantêm vivos o culto e a devoção aos Orixás, tradição vinda com os escravos negros a partir de 1549. O Terreiro de Gantois, ou Axé Yamasseê, fundado por Maria da Conceição Nazaré, em 1849, é uma das casas de Candomblé Jeje-Nagô mais famosas e frequentadas da cidade. Gantois era o nome de um belga, dono do terreno onde foi construído o templo religioso. Ironicamente, ele era traficante de escravos.
 

Jogo de búzios

 

 

A Iyalorixá, mãe de santo, é sacerdotisa e chefe do terreiro de Candomblé. Carinhosa, ela acolhe, orienta, aconselha e zela por seus filhos, como verdadeira mãe.
De figura majestosa, veste-se com uma bata com bordado richelieu sobre volumosa saia, um pano sobre o ombro, turbante ou ojá na cabeça, fio-de-contas, brinco e anel de ouro onde está incrustado um búzio. Diante dela fica a mesa para o jogo de búzios que serão jogados ao redor de colares de contas formando um círculo. Aláfia é o nome que se dá quando todos os búzios caem abertos, o que significa “sim”, confirmação para a pergunta feita ao oráculo. A maioria das Iyalorixás considera aberto o búzio que cai com a abertura natural da pequena concha para cima, mas essa consideração pode variar. 


Comentários

Heitor e Silvia Reali
"Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado."