Ilha de Chiloé com seus barcos fantasmas, catedrais de madeira e mariscos saborosos, motiva a escolha do arquipélago como destino
Há viagens que retratam a exuberância da natureza, mas não vão captar sua alma. Ilha de Chiloé, sul do Chile, consegue. E, mais não faltam mistérios no arquipélago
Ilha de Chiloé
55484
post-template-default,single,single-post,postid-55484,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_updown,page_not_loaded,,borderland-ver-1.13, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,paspartu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Ilha de Chiloé com seus barcos fantasmas. catedrais de madeira e mariscos saborosos, motiva a escolha do arquipélago como destino

Ilha de Chiloé

Ilha de Chiloé com seus barcos fantasmas. catedrais de madeira e mariscos saborosos, motiva a escolha do arquipélago como destino

 Culpa de tantas águas: o derretimento do gelo dos glaciais, a forte correnteza e o mar bravio – que de pacífico não tem nada – transformaram as montanhas em ilhas. Durante 400 anos a Ilha de Chiloé teve tráfico intenso de navios do mundo que cruzavam suas águas interiores mais calmas para chegar à Ásia. E os chilotas que precisavam se deslocar pelas quase 40 ilhas, foram  notáveis construtores de barcos feitos da boa madeira dos bosques das ilhas.

 

Igreja de Nercón

A capela de Nercón, bairro de Castro, diante do bem cuidado jardim, tem cemitério anexo e um dos mais conservados interiores
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Chiloé, sul do Chile, abrigou as missões jesuítas e os padres aproveitaram o conhecimento dos moradores em trabalhar as madeiras das árvores tepu, tepa, e coigüe, para erguer igrejas rústicas. Como não haviam artesãos santeiros, foram os mesmos carpinteiros que passaram a esculpir as imagens criadas à semelhança das feições dos espanhóis, com barba espessa e cabelos negros. Anos mais tarde, um padre recém-chegado ficou chocado com a feiura dos santos e mandou que fossem destruídos. A sorte é que alguns fiéis já haviam se afeiçoado aos santos e os esconderam. E, é a simplicidade e a singeleza desses santos e santas que instigam e prendem os olhos dos visitantes.

 

Igreja de Nercón

A pintura dos altares, as cores vibrantes, colunas em madeira com pintura que imita mármore, e a beleza primitiva e tocante emana dessa capela dedicada à Nossa Senhora das Graças
crédito: Viramundo e Mundovirado.

 

Com a chegada dos franciscanos, as construções foram se aprimorando e ganharam torres, colunas, frisos, cornijas, os elementos que davam nobreza aos templos europeus. Essas igrejas, exemplo único dessa forma de arquitetura religiosa, são consagradas como Patrimônio Mundial da Humanidade, pela Unesco.

 

Curanto

O Curanto é uma maneira ancestral de cozinhar alimentos com pedras quentes em um buraco na terra
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

A liberdade do mar que faz desaparecer ou surgir ilhas, e estuários que se criam ao sabor das marés, deixam um maná de mariscos como almejas, pico rocos, caracoles, e cholgas, para citar apenas alguns. Com sabor acentuado os mariscos são protagonistas da gastronomia chilota e entram no preparo do curanto al hoyo. E, ainda tem uma alga comestível, a cochaguasca, de aspecto e textura incomum, além das tradicionais empanadas, o salmão artesanal, para serem saboreados com os bons vinhos chilenos.

 

Palafitas de Castro

As antigas e simples casas dos pescadores em Castro hoje abrigam restaurantes, hotéis, cafés, e lojas de artesanato em lã.
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Chiloé ainda brinda os viajantes em Tantauco, um dos 25 territórios do mundo mais ricos em biodiversidade; suas coloridas casas construídas sobre palafitas, o artesanato de malhas, meias fofas, e tocas e ponchos feitos em lã de ovelha, folclore, música, e tradições como a la minga– trabalho coletivo para a ajudar os vizinhos a semear, ou até mesmo transportar casas por mar ou terra.

 

Muelle de la Luz

Diante da imensidão do oceano, o Muelle de la Luz, é local para observar as estranhas luzes vermelhas e amarelas que pipocam sobre as águas, e onde também o Caleuche gosta de velejar
crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Mas, é da relação dos ilhéus com o mar bravio ou golfos interiores que nasce todo o mistério de Chiloé: a presença de pinguins e baleias, um estranho fundo de mar “ donde se enturbian extrañas surgencias submarinas” – inexplicável movimento sob as águas e que faz as bússolas perderem o norte magnético – fendas metálicas e misteriosas, sereias, redemoinhos, a Cai Cai Vilu, uma serpente marinha e a Tren Tren Vilu, serpente terrestre, e o mítico Caleuche, barco que nas noites navega pelo oceano aéreo com seu convés iluminado e tripulado pelos bruxos. Esse encantamento faz de Chiloé um legado universal a ser conhecido para poder ser preservado.

 

Ilha de Chiloé

crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Um dos mais espetaculares cenários de Chiloé é um estuário fervilhante de aves que  fica diante do Hotel Tierra Chiloé.  Mutante a cada maré, é frequentado por gaivotas, cisnes, flamingos, garças, e zarapitos que chegam do distante Alaska.
Por todos esses motivos, o guia Lonely Planet destacou Chiloé como o 3o destino mais atrativo do mundo. 

 

Muelle de la Luz

crédito: Viramundo e Mundovirado

 

Considere quando ir:
Hotel Tierra Chiloé, Região dos Lagos, Castro, Ilha de Chiloé, Chile
www.tierrahotels.com

*Matéria publicada originalmente em nosso blog Viagens Plásticas do Viagem Estadao


Comentários

Heitor e Silvia Reali
"Viajamos para namorar a Terra. E já são 40 anos de arrastar as asas por sua natureza, pelos lugares que fizeram história, ou pela cultura de sua gente. Desses encontros nasceu a Viramundo e Mundovirado."